Rio Branco - Acre, 20/08/2017

onde-estamos-trabalhando-limpeza-manutencao-ruasBANNER PORTAL TRANPARENCIA-alterado2782015 

INSTRUÇÃO NORMATIVA N° 01/2009 – PROCURADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO

Dispõe sobre o procedimento administrativo de prescrição de crédito tributário municipal.

CapítuloI
Seção I - Da legitimidade Ativa

Art. 1º. O requerimento de prescrição deverá ser postulado pelo contribuinte titular da inscrição junto ao cadastro, pessoalmente ou mediante representação.
§1º. Em caso de representação será necessária a apresentação de procuração e cópia do RG e CPF do procurador.
§2º. Em caso de titular falecido o requerimento poderá ser feito por qualquer dos herdeiros, ocasião em que deverá ser exigida cópia da Certidão de Óbito; cópia do RG e CPF do falecido e do herdeiro, da Certidão de Casamento nos casos de requerimento feito pelo cônjuge supérstite, além de comprovante de residência do requerente.
§ 3º. Havendo pluralidade de titulares o requerimento poderá ser efetuado por qualquer dos co-proprietários.

Seção II - Da necessidade de atualização prévia

Art. 2º. É vedada a cumulação de pedido de atualização cadastral com o pedido de prescrição, sendo que, constatada a necessidade de atualização, o contribuinte deverá providenciar a regularização antes de pedir a prescrição.
Parágrafo Único. Constatada a venda ou qualquer outro ato que importe na transferência e atualização do nome, do endereço fiscal, do número da residência, do CPF, ou quaisquer outros dados do contribuinte ou co-responsável junto ao cadastro municipal, o interessado deverá requerer, primeiramente, a atualização, para, somente então, com as devidas correções, requerer a prescrição.

Art. 3º. Tratando-se de contribuinte Pessoa Jurídica, haverá necessidade prévia de atualização quando constatado que houve alteração cadastral sem a devida atualização junto ao município.
Parágrafo único. No Boletim de Cadastro Imobiliário (BCI) e no Boletim de Cadastro Mobiliário (BCM) deverão constar todos os nomes dos sócios e responsáveis, seus números de Cadastro de Pessoa Física (CPF) e endereços.

Art. 4º. A vedação de cumulação do artigo 2º alcança os pedidos de reconhecimento de imunidade, haja vista a necessidade de emissão de parecer pela Procuradoria Tributária. Contudo, nesse caso, o pedido de prescrição poderá anteceder o pedido de imunidade.

Seção III - Da documentação para abertura

Art. 5°. Ficam o contribuinte, o representante legal e o herdeiro, obrigados a apresentar documentação, cuja relação consta no anexo II da presente.

Art. 6º. Para a abertura do procedimento será necessário o recolhimento de taxa de expediente (art. 182 da Lei Municipal n° 1.508/2003 – Código Tributário de Rio Branco), que se dará por unidade (mobiliária ou imobiliária).

Capitulo II
Do procedimento
Seção I - prescrição de créditos de IPTU

Art. 7°. Nos processos de prescrição de IPTU, o servidor designado pelo Centro de Atendimento ao Cidadão – CAC, certificará o disposto no requerimento contido no anexo I e autuará os documentos referidos no anexo II, juntando-se a eles o Boletim de Cadastramento Imobiliário (BCI) e o Demonstrativo de Débito do Imóvel objeto de requerimento; em seguida, remeterá o processo à Diretoria de Administração Tributária para análise da pretensão.
§ 1º. O servidor designado pelo CAC deverá abster-se de reter cópias de documentação incompleta.
§ 2º. Verificando-se a falta dos documentos exigidos no anexo II, ou constatada a necessidade de atualização contida nos artigos 2º e 3º, a Diretoria de Administração Tributária remeterá o processo ao servidor do CAC, que autuou o processo, para tomar as providências junto ao Requerente.
§ 3º. O servidor do CAC notificará o Requerente para sanar as falhas no prazo máximo de trinta dias, sob pena de extinção do processo a ser declarada pelo Diretor de Administração Tributária.

Art. 8º. Feita a análise, o processo será remetido à Divisão de Dívida Ativa Municipal para as providencias recomendadas.
§ 1º. A Divisão de Dívida Ativa providenciará a emissão da CDA (Certidão da Dívida Ativa) para o ajuizamento do crédito não prescrito, ressalvados os casos em que o contribuinte firmar parcelamento.
§ 2º. Verificado o descumprimento do parcelamento, nos termos do art. 251, § 9º, do CTM, a Divisão de Dívida Ativa emitirá a CDA (Certidão da Dívida Ativa) para o respectivo ajuizamento. 

Art. 9°. Após as providências constantes no artigo anterior, o processo permanecerá na Divisão de Dívida Ativa que acompanhará, periodicamente, o cumprimento do parcelamento ou da cobrança dos débitos não prescritos.

Seção II - prescrição de créditos de ISSQN e Alvará de Funcionamento

Art. 10°. Nos processos de prescrição de ISSQN ou de Alvará de Funcionamento, o Centro de Atendimento ao Cidadão – CAC certificará o disposto no requerimento contido no anexo I e autuará os documentos referidos no anexo II, juntando-se a eles o Boletim de Cadastramento Imobiliário (BCI) e o Demonstrativo de Débito do Imóvel objeto de requerimento; em seguida, remeterá o processo à Diretoria de Administração Tributária para análise da pretensão;
Parágrafo Único. O servidor designado pelo CAC deverá abster-se de reter cópias de documentação incompleta.

Art. 11º. Feita a análise, o processo será remetido à Divisão de Dívida Ativa Municipal para as providências recomendadas.
§ 1º. A Divisão de Dívida Ativa providenciará a emissão da CDA (Certidão de Dívida Ativa) para o ajuizamento do crédito não prescrito, ressalvados os casos em que o contribuinte firmar parcelamento.
§ 2º. Verificado o descumprimento do parcelamento, nos termos do art. 251, § 9º, do CTM, a Divisão de Dívida Ativa emitirá a CDA (Certidão da Dívida Ativa) para o respectivo ajuizamento. 

Art. 12. Após as providências constantes no artigo anterior, o processo permanecerá na Divisão de Dívida Ativa que acompanhará, periodicamente, o cumprimento do parcelamento ou da cobrança dos débitos não prescritos.

Capítulo III
Disposições gerais

Art. 13. A Procuradoria Tributária do Município de Rio Branco é o órgão consultivo competente para dirimir dúvidas dos servidores municipais atuantes no processo administrativo fiscal ou dos contribuintes do fisco municipal.

Art. 14. Fica revogada a Instrução Normativa n°. 001/2008.

Art. 15. Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Rio Branco/Acre, 14 de julho de 2009.



MÁRCIA CRISTINA C. L. ALÓDIO
Procuradora Geral do Município de Rio Branco
Normal 0 21 false false false PT-BR X-NONE X-NONE MicrosoftInternetExplorer4

INSTRUÇÃO NORMATIVA N° 01/2009 – PROCURADORIA-GERAL DO MUNICÍPIO

Dispõe sobre o procedimento administrativo de prescrição de crédito tributário municipal.

CapítuloI

Seção I - Da legitimidade Ativa

Art. 1º. O requerimento de prescrição deverá ser postulado pelo contribuinte titular da inscrição junto ao cadastro, pessoalmente ou mediante representação.

§1º. Em caso de representação será necessária a apresentação de procuração e cópia do RG e CPF do procurador.

§2º. Em caso de titular falecido o requerimento poderá ser feito por qualquer dos herdeiros, ocasião em que deverá ser exigida cópia da Certidão de Óbito; cópia do RG e CPF do falecido e do herdeiro, da Certidão de Casamento nos casos de requerimento feito pelo cônjuge supérstite, além de comprovante de residência do requerente.

§ 3º. Havendo pluralidade de titulares o requerimento poderá ser efetuado por qualquer dos co-proprietários.

Seção II - Da necessidade de atualização prévia

Art. 2º. É vedada a cumulação de pedido de atualização cadastral com o pedido de prescrição, sendo que, constatada a necessidade de atualização, o contribuinte deverá providenciar a regularização antes de pedir a prescrição.

Parágrafo Único. Constatada a venda ou qualquer outro ato que importe na transferência e atualização do nome, do endereço fiscal, do número da residência, do CPF, ou quaisquer outros dados do contribuinte ou co-responsável junto ao cadastro municipal, o interessado deverá requerer, primeiramente, a atualização, para, somente então, com as devidas correções, requerer a prescrição.

Art. 3º. Tratando-se de contribuinte Pessoa Jurídica, haverá necessidade prévia de atualização quando constatado que houve alteração cadastral sem a devida atualização junto ao município.

Parágrafo único. No Boletim de Cadastro Imobiliário (BCI) e no Boletim de Cadastro Mobiliário (BCM) deverão constar todos os nomes dos sócios e responsáveis, seus números de Cadastro de Pessoa Física (CPF) e endereços.

Art. 4º. A vedação de cumulação do artigo 2º alcança os pedidos de reconhecimento de imunidade, haja vista a necessidade de emissão de parecer pela Procuradoria Tributária. Contudo, nesse caso, o pedido de prescrição poderá anteceder o pedido de imunidade.

Seção III - Da documentação para abertura

Art. 5°. Ficam o contribuinte, o representante legal e o herdeiro, obrigados a apresentar documentação, cuja relação consta no anexo II da presente.

Art. 6º. Para a abertura do procedimento será necessário o recolhimento de taxa de expediente (art. 182 da Lei Municipal n° 1.508/2003 – Código Tributário de Rio Branco), que se dará por unidade (mobiliária ou imobiliária).


Capitulo II

Do procedimento

Seção I - prescrição de créditos de IPTU

Art. 7°. Nos processos de prescrição de IPTU, o servidor designado pelo Centro de Atendimento ao Cidadão – CAC, certificará o disposto no requerimento contido no anexo I e autuará os documentos referidos no anexo II, juntando-se a eles o Boletim de Cadastramento Imobiliário (BCI) e o Demonstrativo de Débito do Imóvel objeto de requerimento; em seguida, remeterá o processo à Diretoria de Administração Tributária para análise da pretensão.

§ 1º. O servidor designado pelo CAC deverá abster-se de reter cópias de documentação incompleta.

§ 2º. Verificando-se a falta dos documentos exigidos no anexo II, ou constatada a necessidade de atualização contida nos artigos 2º e 3º, a Diretoria de Administração Tributária remeterá o processo ao servidor do CAC, que autuou o processo, para tomar as providências junto ao Requerente.

§ 3º. O servidor do CAC notificará o Requerente para sanar as falhas no prazo máximo de trinta dias, sob pena de extinção do processo a ser declarada pelo Diretor de Administração Tributária.

Art. 8º. Feita a análise, o processo será remetido à Divisão de Dívida Ativa Municipal para as providencias recomendadas.

§ 1º. A Divisão de Dívida Ativa providenciará a emissão da CDA (Certidão da Dívida Ativa) para o ajuizamento do crédito não prescrito, ressalvados os casos em que o contribuinte firmar parcelamento.

§ 2º. Verificado o descumprimento do parcelamento, nos termos do art. 251, § 9º, do CTM, a Divisão de Dívida Ativa emitirá a CDA (Certidão da Dívida Ativa) para o respectivo ajuizamento.

Art. 9°. Após as providências constantes no artigo anterior, o processo permanecerá na Divisão de Dívida Ativa que acompanhará, periodicamente, o cumprimento do parcelamento ou da cobrança dos débitos não prescritos.

Seção II - prescrição de créditos de ISSQN e Alvará de Funcionamento

Art. 10°. Nos processos de prescrição de ISSQN ou de Alvará de Funcionamento, o Centro de Atendimento ao Cidadão – CAC certificará o disposto no requerimento contido no anexo I e autuará os documentos referidos no anexo II, juntando-se a eles o Boletim de Cadastramento Imobiliário (BCI) e o Demonstrativo de Débito do Imóvel objeto de requerimento; em seguida, remeterá o processo à Diretoria de Administração Tributária para análise da pretensão;

Parágrafo Único. O servidor designado pelo CAC deverá abster-se de reter cópias de documentação incompleta.

Art. 11º. Feita a análise, o processo será remetido à Divisão de Dívida Ativa Municipal para as providências recomendadas.

§ 1º. A Divisão de Dívida Ativa providenciará a emissão da CDA (Certidão de Dívida Ativa) para o ajuizamento do crédito não prescrito, ressalvados os casos em que o contribuinte firmar parcelamento.

§ 2º. Verificado o descumprimento do parcelamento, nos termos do art. 251, § 9º, do CTM, a Divisão de Dívida Ativa emitirá a CDA (Certidão da Dívida Ativa) para o respectivo ajuizamento.

Art. 12. Após as providências constantes no artigo anterior, o processo permanecerá na Divisão de Dívida Ativa que acompanhará, periodicamente, o cumprimento do parcelamento ou da cobrança dos débitos não prescritos.

Capítulo III

Disposições gerais

Art. 13. A Procuradoria Tributária do Município de Rio Branco é o órgão consultivo competente para dirimir dúvidas dos servidores municipais atuantes no processo administrativo fiscal ou dos contribuintes do fisco municipal.

Art. 14. Fica revogada a Instrução Normativa n°. 001/2008.

Art. 15. Esta Instrução Normativa entra em vigor na data de sua publicação.

Rio Branco/Acre, 14 de julho de 2009.

MÁRCIA CRISTINA C. L. ALÓDIO

Procuradora Geral do Município de Rio Branco

Buy Dbol Online. Therefore, we can say that the active substances in its composition are more perfectly mixed. Vardenafil is not only present in the original Order Levitra, but also as part of its analogs.

COM VOCÊ NO DIA A DIA

com vc dia a dia19082017

VÍDEOS

MAIS VÍDEOS

PREFEITURA DE RIO BRANCO
Rua Rui Barbosa, 285 – Centro - Rio Branco/AC - CEP: 69.900-901 - Tel.: (68) (68) 3212-7040